domingo, abril 22, 2012

CANÇÃO DO AMOR DISTANTE


Ela não foi, dentre todas, a mais bela, 

mas me deu o amor mais fundo e longo. 

Outras me amaram mais; e, no entanto, 

a nenhuma desejei como a ela. 


 Talvez porque a amei de longe, 

como a uma estrela desde minha janela… 

e a estrela que brilha mais distante 

nos parece que tem mais reflexos. 


 Tive seu amor como uma coisa distante 

como uma praia cada vez mais solitária, 

que unicamente guarda da onda 

uma umidade de sal sobre a areia. 


 Ela esteve em meus braços sem ser minha, 

como a água no cântaro sedento, 

como um perfume que se foi no vento 

e que volta no vento todavia. 


 Me penetrou sua sede insatisfeita 

como um arado sobre a planície, 

abrindo em seu fugaz desprendimento 

a esperança feliz da colheita. 


 Ela foi o próximo no longínquo, 

mas preenchia todo o vazio, 

como o vento nas velas do navio, 

como a luz no espelho quebrado. 


 Por isso ainda penso na mulher, aquela, 

a que me deu o amor mais fundo e longo… 

Nunca foi minha. Não era a mais bela. 

Outras me amaram mais… E, no entanto, 

a nenhuma desejei como a ela. 


 JOSÉ ANGEL BUESA 


 Foto de Juan Velasco