quinta-feira, dezembro 12, 2013

ETERNIDADE



ETERNIDADE

Quero acender na noite, uma alvorada
Que seja luz intensa apetecida,
A iluminar a minha caminhada,
Quando um dia voar, pr’a lá da vida.

Quero nas ondas do mar, uma nau alada,
Que me há-de transportar e dar guarida,
E que branca gaivota descuidada,
Leve no voo, me ajude na subida.

Quando minha alma, no espaço já vogar,
Pela nuvem mais bela que encontrar,
Hei-de enviar-te ainda, um beijo ardente;

E se da terra, à noite, olhares as estrelas,
Hás-de sentir, que vivo numa delas,
A esperar por ti eternamente.

(Inédito)

Orlando Fernandes

(Nova Antologia de Poetas Alentejanos)