ESPERA



Aqui onde o exílio
dói como agulhas fundas,
esperarei por ti
até que todas as coisas sejam mudas.
Até que uma pedra irrompa
e floresça.
Até que um pássaro me saia da garganta
e no silêncio desapareça.

Eugénio Andrade

Comentários

Mar Arável disse…
O nosso Eugénio sempre

Mensagens populares deste blogue

Maria Campaniça

ACORDANDO

ALDA GUERREIRO