domingo, julho 30, 2017

AO IDEAL





AO IDEAL

A quem como a ti amei eu, ó sombra amada !

Atraí-te a mim, pra dentro de mim - e desde então


quase me fiz eu sombra, e corpo tu.

Todavia, os meus olhos não aprendem,

afeitos a ver as coisas fora de si;

pra eles és sempre o eterno "fora-de-mim".

Ah, estes olhos põem-me fora de mim !

De : F. Nietzsche 

Friedrich Wilhelm Nietzsche - alemão- 15 Outubro 1844 -- 25 Agosto 1900 - foi um filósofo, crítico cultural, poeta, filólogo.

Foto de Ilya Rashap


sábado, julho 29, 2017

RETRATO



RETRATO
.
Amo-te; e o teu corpo dobra-se,
no espelho da memória, à luz
frouxa da lâmpada que nos 
esconde. Puxo-te para fora
da moldura: o teu rosto branco
abre um sorriso de água, e
cais sobre mim, como o
tronco suave da noite, para
que te abrace até de madrugada,
quando o sono te fecha os olhos
e o espelho, vazio, me obriga
a olhar-te no reflexo do poema.
.
NUNO JÚDICE
In Pedro Lembrando Inês, 2002

quinta-feira, julho 20, 2017

ENVELHECER


ENVELHECER

Boa noite, velhice, vens tão cedo!
Não esperava, agora, a tua vinda.
Eu tão despreocupado estava, ainda,
Levando a vida como num brinquedo…

Tens tão meigo sorriso e um ar tão ledo;
Nos teus cabelos como a prata é linda!
Ao meu teto, velhice, sê bem-vinda!
Fica à vontade. Não me fazes medo.

E ela assim me falou, em tom amigo:
- Estranha me supões, mas, em verdade,
Há muito tempo que, ao teu lado, eu sigo.

Mas, da vida na estúrdia alacridade,
Não me viste viver, seguir contigo…
Eu sou, amigo, a tua mocidade.

Bastos Tigre

Poeta Brasileiro

1882/1957

Foto de Khanina

segunda-feira, julho 17, 2017

Nomeei-te no meio dos meus sonhos ...




Nomeei-te no meio dos meus sonhos 

Chamei por ti na minha solidão

troquei o céu azul pelos teus olhos

e o meu sólido chão pelo teu amor


Ruy Belo

1933-1978


Foto de Kapitan Nemo

domingo, julho 16, 2017

CATILINA





Eu sou o solitário e nunca minto.
Rasguei toda a vaidade tira a tira
E caminho sem medo e sem mentira
À luz crepuscular do meu instinto.
.
De tudo desligado, livre sinto
Cada coisa vibrar como uma lira,
Eu – coisa sem nome em que respira
Toda a inquietação dum deus extinto.
.
Sou a seta lançada em pleno espaço
E tenho de cumprir o meu impulso,
Sou aquele que venho e logo passo.
.
E o coração batendo no meu pulso
Despedaçou a forma do meu braço
Pr’além do nó de angústia mais convulso.
.
Sofia de Mello Breyner
.
Foto de Reda Danaf

sexta-feira, julho 14, 2017

SÚPLICA


Súplica

A provar que hei perdido a segurança
Desde, Senhora, que cheguei a ver-vos,
Ao juízo recusam-se-me os nervos,...
E sucede-me insólita mudança.

Tremo por mim, pesar que a linda e mansa
Face vossa me induza a vir dizer-vos
Esta infinita insânia de querer-vos
E na alma quanto sinto de esperança.

Apiedai-vos de mim, cuja loucura
Em toda parte só divisa abrolhos
Depois de ter o olhar de leve posto

Em vosso airoso talhe, em vossa alvura,
Nas duas noites que mostrais nos olhos,
Nas duas rosas que trazeis no rosto.

Aníbal Teófilo

Poeta Brasileiro

1873/1915


Foto SS STUDIO

sexta-feira, julho 07, 2017

ESPERA

Deito-me tarde
Espero por uma espécie de silêncio
Que nunca chega cedo
Espero a atenção a concentração da hora tardia
Ardente e nua
É então que os espelhos acendem o seu segundo brilho
É então que se vê o desenho do vazio
É então que se vê subitamente
A nossa própria mão poisada sobre a mesa

É então que se vê passar o silêncio
Navegação antiquíssima e solene.

Sophia de Mello Breyner Andresen


Pintura de Iman-Maleki

domingo, julho 02, 2017

UNS LINDOS OLHOS, VIVOS, BEM RASGADOS




UNS LINDOS OLHOS, VIVOS, BEM RASGADOS
.
Uns lindos olhos, vivos, bem rasgados,
um garbo senhoril, nevada alvura;
metal de voz que enleva de doçura,
dentes de aljôfar, em rubi cravados;
.
fios de ouro, que enredam meus cuidados,
alvo peito, que cega de candura;
mil prendas e (o que é mais que formosura)
uma graça que rouba mil agrados;
.
mil extremos de preço mais subido
encerra a linda Márcia, a quem of’reço
um culto que nem dela ‘inda é sabido;
.
tão pouco de mim julgo que a mereço,
que enojá-la não quero de atrevido
co’as penas que por ela em vão padeço.
.
FILINTO ELYSIO
.
Filinto Elysio era o nome arcádico por que ficou conhecido o P.e Francisco Manuel do Nascimento, nascido em Lisboa a 23 de Dezembro de 1734 e falecido em Paris a 25 de Fevereiro de 1819. Teve de se exilar para fugir à Inquisição, devido às suas ideias liberais e iluministas. Esteve quatro anos em Haia (Holanda), antes de se fixar em Paris. Se, em Lisboa, fora professor da Marquesa de Alorna (Alcipe), na capital francesa travou conhecimento com o grande poeta romântico Lamartine. Levou uma vida difícil como tradutor, mas poetou infatigavelmente.
.
Foro de Novikov
.