quarta-feira, agosto 30, 2017

VIRGÍNIA



VIRGÍNIA

Embora o sol fosse alto ainda, áquela
hora já dali desertara, as sombras iam
saindo aos poucos de debaixo dos armários.
De vez em quando as mãos, completamente absortas,
detinham-se no ferro, sobre a tábua, ao lado
do gigo agora esvaziado e dos pesados
tabuleiros de verga, onde se erguia a roupa.
Tornavam-se mais nítidos, assim, os seus
contornos recortados contra a luz.
Dali podia-se avistar o mundo inteiro.
Ao longo dos telhados, por onde um ou outro gato
corria atrás das pombas, oscilava
ligeiramente a corda, onde a cidade, o céu
e os montes pareciam pendurados.



Luís Miguel Nava

1957/1995


Foto de Miahaell

segunda-feira, agosto 28, 2017

Lúcida, a manhã canta na tua voz de prata,




Lúcida, a manhã canta na tua voz de prata,
Meu amor perdido que a saudade aquece.
Na cidade exangue donde eu vim poeta
Lembro a voz do vento que hoje me entristece...

Lembro as tuas faces, meu amor ausente,
Que a lembrança guarda no seu fumo triste,
Que paisagens novas me fizeram pobre
Nesta alma exausta que hoje em mim existe.

Ó sol, meu padrinho, flor do céu!
Que alegria, amor, quando o sol perdoa.
Há gemidos novos na paisagem nova
Meu amor perdido que em minha alma soa.

Antunes da Silva, Canções do Vento

domingo, agosto 27, 2017

APELO



APELO
.
Atravessa os caminhos da noite
e vem.
.
A minha pele
ainda cálida de sol
te será margem.
.
Nas fontes, vivas,
do meu corpo
saciarás a tua sede.
.
Os ramos dos meus braços
serão sombra rumorejante
ao teu sono, exausto.
.
Atravessa os campos da noite
e vem.
.
Luísa Dacosta, 
.
in CEM POEMAS PORTUGUESES NO FEMININO, (Terramar, 2005)
.
Luísa Dacosta,
.
in CEM POEMAS PORTUGUESES NO FEMININO, (Terramar, 2005)

quinta-feira, agosto 24, 2017

A PALAVRA QUE DESNUDO




Entre a asa e o voo
nos trocámos
como a doçura e o fruto
nos unimos
num mesmo corpo de cinza
nos consumimos
e por isso
quando te recordo
percorro a imperceptível
fronteira do meu corpo
e sangro
nos teus flancos doloridos
Tu és o encoberto lado
da palavra que desnudo


Mia Couto

Art de Arsen Kurbanov

terça-feira, agosto 22, 2017

ABRAÇO IMAGINADO



ABRAÇO IMAGINADO
.
um abraço imaginado pousou-me hoje no peito
e trouxe com ele o teu jeito
de chegar
de sonhar
de gostar
com um gosto tão perfeito
cegou-me no seu apertar
incessante
ofegante
de tonalidade brilhante
lembrando um vento solar
.
por ofuscar-me o olhar
com seu brilho penetrante
as lágrimas que escorreram
por sentir teu abraçar
eram como estrelas d’água
com o sol a cintilar.
um abraço imaginado, deixou-me hoje sozinho
com as mãos tocando o nada
o corpo sem uma morada
e a alma em desalinho
.
Nuno Guimarães, in Pedaços de ti-
.
Arte de Audrey Kawasaki

domingo, agosto 20, 2017

UM BREVE SOPRO


Um breve sopro,
talvez uma ténue aragem
um rumor de pássaro iniciando um voo
quiçá um nenúfar suspenso na aguagem
do rio desfalecido que já sou.

Um leve, quase impercetível pulsar
na fímbria esquecida do coração
um velho mas renovado despertar
no tardio florir do desejo e da paixão.

Um instante riscado no cristal do tempo
talvez um tempo vestido pelo avesso
quem sabe se o amargo deslumbramento
que sinto e desencanto em cada verso.
.
Miguel Afonso Andersen, in A aparição de Sofia

segunda-feira, agosto 14, 2017

AQUELA JANELA



AQUELA JANELA...
.
Aquela janela...
Onde meu corpo vergado
Acolhia teu busto enamorado.
.
Aquela abertura...
Onde o luar espreitava
O reflexo dos teus olhos quentes de lava.
.
Aquele sítio...
Onde o calor dos nossos beijos
Ateava o fogo da paixão e dos desejos.
.
Aquela janela...
Onde sonhos se construíam
E sorrisos se fundiam.
.

Aqueles momentos...
Em que o silêncio imperava
Loucuras mil se sonhava...
.
Aquelas horas...
Minutos fugidíos, fugazes,
De que felicidade éramos capazes...
.
Aquela janela...
Virada para o silêncio da rua
Onde o amor sucedia sob os olhos da lua.
.
Aquelas paredes...
Mudas testemunhas de um beijo,
Duma carícia, duma despedida, dum desejo.
.
Aquele silêncio, aquela rua,
Aquela janela, aquela felicidade,
Tudo desapareceu com a cidade...
.
Aquela janela, aquele silêncio,
Aquela rua... indeléveis companheiros meus,
Perene confirmação do último adeus.
.
Aquela janela...
Chaga viva, magoa sempre, até fere.
Impossível aceitar o que o destino quer.
.
Aquela janela...
Orvalhada por lágrimas doridas,
Expiadas e sofridas.
.
Aquela janela...
Um dia se abrirá de par em par
Afastará a tristeza, a dor e a saudade
E deixará o Sol entrar...

.
06 de Abril de 2006
.
Luis Milhano (Lumife)

Foto de João Torres

sexta-feira, agosto 11, 2017

AQUELA RUA ...




Aquela rua...
Que saudades... daquela rua.
A rua minha e tua.
Comprida ou curta...
Comprida para chegar
E ver o teu olhar.
Curta ao abalar...
Num instante
Perdia o teu olhar.
Naquela rua...
Mesmo com escuridão
Brilhava o teu coração.
Naquela rua...
Nas noites do luar
Havia amor a soltar.
Naquela rua...
As minhas mãos
Procurando a tua.
Naquela rua...
Uns lábios doces
Cor de amora...
Naquela rua...
Os beijos longos
Tinham demora.
E um dia...
Aquela rua...
Minha e tua,
Ficou só,
Vazia e nua.
Hoje, olho a rua
E as pedras que pisei,
Falam-me do tempo
Que tanto amei.
Olinda Bonito
14/03/06




Foto de Tatyana Solenikova 

segunda-feira, agosto 07, 2017

ENQUANTO HOUVER ... e PODRÁ NUBLARSE ...

ENQUANTO HOUVER ...

Enquanto houver uns olhos que reflectem outros olhos que os fitam, 

enquanto a boca responda a suspirar 
aos lábios que suspiram, 

enquanto sentir-se possam ao beijar-se duas almas confundidas, 

enquanto exista uma mulher formosa,
haverá poesia!

GUSTAVO ADOLFO BÉCQUER

II

Podrá nublarse el sol eternamente; 
Podrá secarse en un instante el mar; 

Podrá romperse el eje de la tierra 
Como un débil cristal. 

-todo sucederá- Podrá la muerte 
Cubrirme con su fúnebre crespón; 

Pero jamás en mí podrá apagarse
La llama de tu amor.

GUSTAVO ADOLFO BÉCQUER

Gustavo Adolfo Claudio Domínguez Bastida (Sevilla, 17 de fevereiro de 1836-Madrid, 22 de dezembro de 1870), mais conhecido como Gustavo Adolfo Bécquer, foi um poeta e narrador espanhol.
Foto - John Farrar.