quinta-feira, setembro 28, 2017

NAVEGO NOS SENTIRES



navego nos sentires,
em palavras escritas
semeadas com afectos.

.
navego no toque do prazer...
envolvida no olhar fugaz
sedento das marés do mar

.
navego nos sonhos
em encontros secretos,
nos murmúrios entre sussurros
ou nos sorrisos de um lábios ocultos

.
navego numa teia
confusa e disforme,
do lado de lá da janela interdita
sobre uma mágoa salgada.

.
navego fundida no desfrutar do silêncio
sem hora, onde sou cicuta sem segredos!

.
helena maltez

.

segunda-feira, setembro 25, 2017

JUVENÍLIA VII



Juvenília VII
.
Ah! quando face a face te contemplo,
E me queimo na luz de teu olhar,
E no mar de tua alma afogo a minha,
E escuto-te falar;
.
Quando bebo no teu hálito mais puro
Que o bafejo inefável das esferas,
E miro os róseos lábios que aviventam
Imortais primaveras,
.
Tenho medo de ti!... Sim, tenho medo
Porque pressinto as garras da loucura,
E me arrefeço aos gelos do ateísmo,
Soberba criatura!
.
Oh! eu te adoro como a noite
Por alto mar, sem luz, sem claridade,
Entre as refegas do tufão bravio
Vingando a imensidade!
.
Como adoro as florestas primitivas,
Que aos céus levantam perenais folhagens,
Onde se embalam nos coqueiros presas
.
Como adoro os desertos e as tormentas,
O mistério do abismo e a paz dos ermos,
E a poeira de mundos que prateia
A abóbada sem termos! ...
.
Como tudo o que é vasto, eterno e belo;
Tudo o que traz de Deus o nome escrito!
Como a vida sem fim que além me espera
No seio do infinito.
.
FAGUNDES VARELA
.
Foto de Aaron Gershon

segunda-feira, setembro 18, 2017

ESCREVO, NAS FOLHAS GASTAS DA MEMÓRIA ...





escrevo, nas folhas gastas da memória
amarelecidas, pela secagem
de um tempo
cansado


escrevo, com tinta fresca
para te sentir presente,
quando o sol
despontar


escrevo, no meu próprio sono
como se fosse voragem
sonhando nos teus braços
apressada


escrevo, nas estrelas
os teus olhos brilhantes
os espaços que damos em insónias
perigosas


escrevo, na chama cortada
por uma voz escutada,
entre os nossos olhares
cúmplices


escrevo,
perco-me em ti
e não trago mapa


helena maltez

foto de Irina Z

terça-feira, setembro 05, 2017

AS PALAVRAS DEVERIAM TER ASAS ...





As palavras deveriam ter asas,
a cor das borboletas,
o perfume das rosas de Maio.

Não me interessam os verbos
com demasiados tempos e modos

Quero escrever um poema
e ressuscitar em ti a Primavera!

ALBINO SANTOS

sexta-feira, setembro 01, 2017

O NOSSO TEMPO ...



Quanto tempo passou...?

Onde andaste ...?

Onde eu andei ...?

Não sabias de mim...

Nada sabia de ti...


E o tempo continuou a passar...


A tua imagem perdurava em meu coração...

Tu também não me esqueceste....

Muito tempo passou....


O amor, por ti, mantinha-se...

Continuavas a amar-me...


Novos rumos tomámos...

O tempo ganhou tempo....

Os dias fizeram anos...


O destino quis que nos reencontrássemos...

O destino quis apagar seus erros do passado...


O tempo, por momentos, parou...

Deixou-nos ser felizes por um tempo...


Mas o tempo é imparável...

E o destino também...

A vida continuou seu rumo...

Com lembranças mais vivas...

Que o tempo não pode apagar...



Luis Milhano (Lumife)

31 Agosto 2010


Foto de Vlad Belin