sexta-feira, setembro 13, 2019

RECORDANDO RAUL DE CARVALHO






Alvito, Baixo Alentejo
1920/09/04 - 1984/09/03

Poeta português, natural de Alvito.

Foi colaborador das revistas Távola Redonda e Árvore e Cadernos de Poesia, que, na década de 50, conglomeravam de forma irregular, mas activa, poetas de várias sensibilidades.
A obra deste poeta, onde se encontram evocações da sua infância alentejana, revela a sua ligação ao neo-realismo. A fidelidade ao humano e o estilo enumerativo e anafórico são marcas da sua poesia.
Os seus títulos englobam As Sombras e as Vozes (1949), Poesia, (1955), Mesa de Solidão (1955), Parágrafos (1956), Versos - Poesia II (1958), A Aliança (1958), Talvez Infância (1968), Realidade Branca (1968), Tautologias (1968), Poemas Inactuais (1971), Duplo Olhar (1978), Um e o Mesmo Livro (1984) e Obras de Raul de Carvalho — I — Obra Publicada em Livro (editada postumamente em 1993).
Recebeu, em 1956, o Prémio Simón Bolívar, do concurso internacional de poesia realizado em Siena, Itália.

( http://www.astormentas.com/multimedia.aspx?t=autor&id=Raul+de+Carvalho)





ANTÓNIO REBORDÃO NAVARRO-Lendo este seu trabalho, em Alvito, em 22 de Abril de 2006, no Centro Cultural, durante o I Encontro de Blogs, aí realizado e onde homenageámos os Poetas Alvitenses.









RAUL DE CARVALHO : alguma obra


Por António Rebordão Navarro



Três vectores essenciais se evidenciam na poesia de Raul de Carvalho: a solidão, o amor, a terra.
Já no seu primeiro livro, As Sombras e as Vozes, de 1949, num poema intitulado “Terra Mãe”, mais tarde reeditado numa antologia (1), se nos deparam estes versos:


Rua das Manhãs
Rua da Alegria
Quem te pôs o nome,
rua, não sabia
quanta solidão
nessa rua havia…



Ora, esta breve sextilha, com um leve sabor a Manuel Bandeira, tornar-se-á singularmente programática de uma das mais preponderantes linhas de força da importante e, apesar de tudo, discreta obra que nos legou, quase sempre editada a expensas suas e em reduzidas tiragens. Obra em que, durante trinta e cinco anos, Raul de Carvalho edificou um universo poético, um canto cheio de luz e sombra, de frescura e ardência, onde as paisagens reais e imaginárias se confundem e interpenetram, os lugares não se habitam, são criados e vivos, os espaços se compõem de carne e sonho e, em cada verso, em cada ritmo, em cada poema, a solidão persiste.
Mas, se As Sombras e as Vozes poderia ser, ao tempo da sua publicação, uma estreia feliz, ou, pelo menos, auspiciosa, no jargão crítico da época, será posteriormente à sua passagem pela revista Árvore, de que foi um dos directores e que constituiu um relevante marco na moderna poesia portuguesa, que a lírica de Raul de Carvalho mais como voz sem sombra se define, num livro simplesmente intitulado Poesia (1955).
Segundo Fernando Guimarães, que dedica parte substancial de um capítulo do seu livro Simbolismo, Modernismo e Vanguardas precisamente à ‘Revista Árvore e a definição de uma nova concepção de Poesia’, aquela publicação surgia numa altura em que


Era a uma superfície verbal cada vez mais valorizada e, ao mesmo tempo, à relação aí implicitamente assumida quanto ao homem e à cultura que, na criação literária, se começava a prestar especial atenção; havia a considerar na linguagem não só o papel que ela desempenhava como suporte de reflexão, mas também a possível função constituidora que teria relativamente aos seres e aos valores.
/

E, mais adiante:

O que, implicitamente ou, até dum modo inconsciente, se tinha em vista atingir de acordo com certas ideias que andavam no ar, tendo por base um pressuposto existencialista sobretudo defendido po Heidegger, era a possibilidade de pela própria palavra se desvendar o ser (2)

Com efeito, parece-nos que a estas premissas e à descoberta do ser pela palavra se manteve sempre fiel, a partir do seu segundo livro, a poesia de Raul de Carvalho.
Porque se, de facto, os poemas de As Sombras e as Vozes (refiro-me aos seleccionados no volume da Colecção Poesia e Ensaio) indiciavam certas características muito pessoais: anáforas, epanáforas, epanapleses, enumerações, é em Poesia, torrencial volume de 259 páginas editado pela saudosa Portugália Editora em 1955, época em que muitos romances não atingiam semelhante dimensão, que essas determinantes mais se destacam, se transformam em estilo, ou, se quiser, dão cunho à forma.
É nas três partes desta grande, muito bela e, quiçá, por então inesperada obra ( valendo-nos hoje a perspectiva de um canto global), a primeira das quais será composta por seis livros, respectivamente intitulados `Ágil e Só´, `Passatempo´, `Acordéon Selvagem´, `Sistema Solar´, `Amor e Prazer das Coisas´e `Cântico´- não se subintitulando a segunda parte e a terceira, que termina com este excepcional poema imbuído da estética que caracteriza a revista Árvore:


Lanceolada de espumas e sagrada
por vastos e remotos vendavais,
aqui me tens, indestrutível força,
e absoluta solidão do homem--,


que outros sinais específicos surgem pela primeira vez: as grafias em
itálico – são em itálico, aliás, o primeiro e o último poema de Poesia – as datas apostas em várias composições.

(Sobre o grafismo, abramos um parênteses. Ao procurar na estante os livros do poeta, saltou de um deles, A Aliança, composto e impresso na Tipografia Ideal, em Lisboa, em Outubro de 1958 (tiragem de 250 exemplares), um cartão seu que, sob a data 29-X-58, trazia, na sua caprichosa letra, estas palavras:


Meu Caro António Rebordão Navarro,
--Lembro-me de lhe dizer…
As «indicações» q. me permiti dar para a tipografia (no res-
peitante ao poema que lhe enviei) foram-me ditadas tão-só,
esclareça-se, pela ideia q. faço de que: assim composto (não
sei se em corpo 14 (como indiquei) ou 12 it.) é tal composição
a q. melhor se ajusta ao estilo, chamemos-lhe, do poema.


Creio que se referia são texto «Salve-Rainha da Vida, publicado no
nº 67, correspondente a Dezembro daquele ano, da revista Bandarra, dirigida por meu pai, mas o que mais importa é salientar o excepcional cuidado que o poeta dedicava aos seus trabalhos, cedendo-os de bom grado, mas sob a condição de rever provas, de lhes vigiar atentamente a estrutura impressa.)

Fechemos o parênteses, regressando a Poesia, onde os sistemas desbordam, as imagens exorbitam dos leitos confortáveis das palavras, onde, caudalosas, vertiginosamente, as metáforas decorrem, onde as enumerações, muitas vezes caóticas, abordam as margens do delírio.
Poesia rica, de luxuriosa linguagem, muitas vezes ultrapassando a barreira ténue, se é que a mesma existe, com a prosa (Raul de Carvalho e, posteriormente, Jorge de Sena demonstrariam o contrário, o que havia de confundir muitos espíritos), Poesia constitui-se como espaço pleno, poderoso, em que todas as orquestrações são possíveis, como uma exuberante polifonia ou um fundo alicerce, um arsenal bem apetrechado onde se originariam todas as obras subsequentes, como cintilações várias dos diversos filões de portentosa mina.
Abriria Mesa da Solidão (1955) com um poema glosando a epígrafe de Lucien Becker, «La solitude est partout», naquela forma tão cara ao poeta das enumerações consecutivas, oriunda, por certo, daqueles inventários do Surrealismo, surrealismo esse do qual a sua poética nunca se alhearia, dentro daquela mesma concepção analisada pelo autor de Simbolismo, Modernismo e Vanguardas em que «para o advento do homem social» (expressão de Ramos Rosa) «seria necessário não só evitar, como é óbvio, a escrita imediata e pura dos surrealistas, mas também a `má escrita´- como justamente dizia Cesariny-do Neo-Realismo, sem que, no entanto, se deixasse de aproveitar a experiência que revertia dessas duas atitudes» (ob. cit. P. 103).
Mesa da Solidão (que valeria ao Autor uma medalha do Prémio Simon Bolívar, atribuído pela revista italiana Ausonia e instituído e financiado pelo poeta Edoardo Crema) termina com o poema `Irei no Signo da Paz e dos Olhos´, texto dividido em diversos poemas, alguns autónomos, como o subordinado à epígrafe «Voici le temps de la raison ardente», de Apollinaire, outra forma muito peculiar a Raul de Carvalho e que será retomada no livro seguinte, Parágrafos (1956), considerando-se este, como creio deve ser considerado, um longo e unitário poema, ainda em Uma Estética da Banalidade (1972) e em outras várias obras. Mesa da Solidão é um livro em que as impetuosas torrentes de Poesia foram dominadas, depuradas, em que os poemas atingiram um grau de nitidez absoluta de primeiros planos e os próprios versos constituem claríssimos sinais, cristais de solidão.
Poesia, Mesa da Solidão e Parágrafos deveriam ser, de acordo com uma nota «não explicativa», inserta pelo poeta neste último livro, «considerados como fazendo parte de aquilo a que chamo `a minha fase polémica´. Isto ajudaria a explicar, embora desnecessariamente, as respectivas datas de publicação. E afastaria talvez (é como queiram…) a benemérita ideia das precipitações».
Uma incontida força criadora levaria, no entanto, Raul de Carvalho a publicar, em 1958, em cuidadas edições de autor mais dois livros: Versos (Poesia II) e A Aliança.
Valeria a pena salientar no primeiro os textos introdutórios retirados da Esthétique de Max Jacob: «Avoir une âme» e «La minute contient sa douleur ou sa joie et c´est de douleur ou de joie qu´est faite la poésie» e esta estrofe do poema inicial: «Num verso…Essa espécie de infinito / Que é lágrima e é luz, que é sombra e grito!», estabelecendo o tom, não somente rítmico, mas temático da obra em que, como perfeitos salmos, se inseriam momentos líricos como estes:


Amores que não amei, que passaram, que morrem.
E contudo em meu peito eternamente existem.


----------

Não pensas. Não sabes. Não queres. Não morreste. Dormes.
----------


Até para morrer se faz
Imensamente tarde


----------

Improvisadamente, o ar me toca…
Improvisadamente, o distribuo…
Se a hora é boa ou má, pouco me importa…
Ao nada me habituo.
----------


Factos. Factos. Dêem-me factos. Pois bem,
O facto, hoje, é este simplesmente:
Que eu acredito no impossível possivelmente.

----------


O que faz com que a gente
finalmente se habitue
a tanta mágoa em campo santo,

É ter de há muito tempo
Secado em nós o pranto.

----------


Concêntrico é o ser
quando tranquilo.


Dois versos de San Juan de la Cruz, « Para venir a serio todo, / no quieras ser algo en nada» antecederiam A Aliança, poema que adquire a profunda sonoridade de hino ecoando sob sólidas abóbadas e onde a condicionante se, abrindo grande parte das estrofes, não contem a carga sobre-humana de Kipling, nem a irónica acutilância de O´Neill, antes suporta, posto que em tempo a vir, lúcida, a razão:


Se o Canto não perturba nem engana
É porque está inscrito
À entrada do pórtico

Que há-de passar por aqui
Um novo Génesis

----------

O mundo vai abrir-se (…)


findando em som de trombeta, iluminado prenúncio:


Até que Deus suprima
A confusão dos gestos.


Poderíamos dizer que com A Aliança se encerrava um ciclo poético de Raul de Carvalho, a quem, na primeira edição da 3ª série de Líricas Portuguesas (3), Jorge de Sena dedicava esta nota:

É, pelo fôlego torrencial e pela intensidade vibrante da expressão
que tudo carreia, desde os entusiasmos fugazes às emoções mais profundas, desde as atitudes formais à dolorosa consciência da dignidade humana, um dos maiores líricos deste período. Revelada tardiamente, esta poesia, no entanto capaz da mais discreta e comovida contenção, surge, nas suas virtudes admiráveis e nos seus defeitos de excessiva enumeração apostrófica e paralalística, como uma dramática encruzilhada de cinismo e de sentimentalismo, de amoralismo e de delicado pudor, na qual perpassa um desespero anárquico constantemente dividido entre um terno sentimento e uma solidão angustiosa. Mas, da caótica desordem das emoções e do orgulhoso descuido, tão hábil, dos poemas, ficarão uma atmosfera muito peculiar de excitação poética-literária e poesias vigorosas, de uma segurança e de uma força exemplares ou de uma simplicidade perfeita.


No ano de 1959, publicaria Raul de Carvalho, em separata da revista Vértice, o poema Carta ao Pintor Desesperado Manuel Ribeiro de Pavia, mais tarde (1971), incluído em Poemas Inactuais, sucedendo-se a esta fase amplamente produtiva um concentrado silêncio de nove anos.
Singularmente, não seria de poemas, mas um longo poema em fragmentos, ditado pela pura e ressuscitante memória que os poetas possuem e manobram, o livro intitulado Talvez Infância (1968), a romper um mutismo todavia fértil, como seria demonstrado pelas datas inscritas nos poemas de Realidade Branca e de Tautologias que viriam a público no mesmo ano, em que também saiu o volume incluindo a reedição de Mesa da Solidão, de Versos (Poesia II), de A Aliança e uma selecção, por Afonso Cautela, Liberto Cruz e pelo próprio Autor, do primeiro livro, de Poesia (I) e de Parágrafos: a já referida Poesia, 1949-1958.
Cremos que Talvez Infância fosse, com o peso justo da adversativa, o título mais adequado à obra sobre um tempo passado, reconstituído milagrosamente pela escrita. Mas também Talvez Infância se pudesse chamar Talvez Solidão, Talvez Serenidade, pois de uma e de outra se compunha, entre a reelaboração, a revivicação de seres e objectos («Um dia Jano recordou-se tanto… que via as coisas por dentro e por fora… como se fossem vivas… Almas do outro mundo, vivas…», o preenchimento de desérticos lugares («Não há ninguém agora, a solidão é vasta e cúmplice; para falar só se fosse de amor»), a abolição de pavores («uma solidão que não mete medo, que não se arrepende nem pergunta, que não quer saber de nós, que ali estamos»), a reconstrução do mistério por elementos simples: «Lavar as mãos com sabão…Comer pão com azeitonas… Ter a cama junto duma parede branca, onde eu possa encostar as mãos e sentir fresco…// Vem depois o vento e leva-nos… E só deixa ficar a recordação».
`O Dia Difícil´, datado de 1955, havia muito anunciado e constituindo a primeira parte de Realidade Branca, poderia dizer-se um canto de amor sublimado em que Deus e o ser amado se perseguem muitas vezes e outras chegam mesmo a fundir-se. Os símbolos religiosos e litúrgicos são aqui evidentes e não estaria deste livro distante uma atenta leitura das obras dos místicos espanhóis. Seriam incontáveis os exemplos.
Proporemos alguns:


Deus ajuda-me a ver-te e a louvá-Lo.

----------

Deus serve-se de ti:

----------

Pergunto a Deus o que é que nos separa.

----------

É tempo de louvar-Te. O dia nasce.

----------

Ao quente coração que se abandona
Dá Deus o lençol e a cama.


----------

Beijar-te fora o mesmo
Que esboçar uma Cruz
Na tua boca.

----------

Não abandona, Deus, a pedra dos altares;

----------

O copo, a água, a mesa…

----------

Deus conversa com ele
Num tom que não se ouve

----------

Umas pequenas salas
Com poucas visitas
São as nossas almas
--Pequenas e aflitas
.

----------

Que nunca tenhas existido,
É coisa em que nunca acreditei.
Foi Deus que te criou e Deus
Não consentiria nisso.


Ainda de 1955, Religião do Mar é também um poema celebrando o amor, dimensionando-o já não como supra, teológica ou metafísica categoria, mas relacionando-o com o mar, como limpidez e extensão.
Realidade Branca, o conjunto de poemas que dá nome ao volume, é uma síntese entre símbolos místicos e profanos, resolvendo-se na celebração do corpo:


O universo não passa de dois dedos
que pertencem às tuas mãos
que o máximo que abrangem
é uma cintura.

----------

Agora, as minhas mãos
Voltam a ser de novo
O que eu não sou.

----------

Já sei que sou feliz unicamente
Quando regresso aos lábios silenciosos


Não seria despiciendo, parece-me, chamar a atenção para a epígrafe (e em Raul de Carvalho as epígrafes são muito importantes) a que o poeta subordina o texto não datado deste livro. É de René Guy Cadou e diz precisamente: «Ah! Et que je ne suis pas métaphisique…»
Como Realidade Branca, Tautologias, última obra de que nos ocuparemos, abrangeria vários livros: « Um Conto de Crianças», datado de 1957, «Tautologias», de 1958, «Taberna», de 1955, «Aleluia dos Camponeses» e «Horóscopo», de 1967.
Se o primeiro deles constituía uma maravilhosa fábula, Tautologias, encontrando a sua epígrafe-- «o tempo imovivel…»---em Irene Lisboa, a quem era dedicado, caracterizar-se-ia por um tom lapidar, despojado, incisivo («Hoje igual a ontem. / E é tudo»--«Limpar a alma / com uma vassoura. / Fora! Fora tudo o que está a mais») que talvez fizesse Jorge de Sena acrescentar, na sua nota da 3ª edição das Líricas Portuguesas que anteriormente terminava «de uma simplicidade perfeita», esta outra frase: «parecendo ser esta tendência a que ultimamente predomina».
Patentar-se-ia em «Taberna» uma angústia existencial, sartreana, mas seria em «Horóscopo», com poemas como `Família´`Se há coisa que eu sinta´ e, principalmente, em `Aleluia dos Camponeses´, que o poeta regressaria aos lugares de origem, compondo mesmo neste último livro, onde as primeiras pessoas do singular e do plural por vezes se confundem, um coral sinfónico, espraiado, pungente, tendo por tema a terra alentejana:


Tem raízes na terra o nosso canto. Daqui não saímos. Morremos para melhor saber o gosto à terra. Cantamos. Estamos sós e unidos.
Vamos matá-lo! Ao Sol!
Não há água, não há sombra, não há luz. A isso que queima, não é luz, não se chama luz. É venenoso e cruel como os nossos patrões, o Sol.



-----------

Para nós, senhores, não chegará a hora.
Temos da morte conhecimento em vida.
Somos camponeses.


----------

Foi a Beleza que me procriou.


NOTAS

1) Raul de Carvalho, Poesia 1949-1958, Colecção Poesia e Ensaio, Lisboa, Editora Ulisseia, 1965, p. 10.

2) Simbolismo, Modernismo e Vanguardas, Lisboa, Imprensa Nacional- Casa da Moeda, 1982, pgs. 103, 104.

3) Líricas Portuguesas, 3ª Série, Selecção, Prefácio e Notas de Jorge de Sena. Lisboa, Portugália Editora, 1958; 3ª ed. I vol. Lisboa, Edições 70, 1984, p. 332


NAVARRO, António Rebordão (1986) COLÓQUIO Letras, número 94 Novembro de 1986 (33:41)


António Augusto Rebordão e Cunha Navarro nasceu no Porto em 1 de Agosto de 1933. Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, foi funcionário de uma Caixa de Previdência, Delegado do Ministério Público, Director da Biblioteca Pública Municipal do Porto e Director Editorial, tendo exercido a advocacia. Secretariou e dirigiu a Revista Literária Bandarra, fundada por seu pai, o escritor Augusto Navarro. Foi co-director de Notícias do Bloqueio e director-adjunto da revista literária Sol XXI. Colaborou em diversas publicações e encontra-se representado em várias antologias. Fez parte da direcção e foi Presidente da Assembleia Geral da Associação de Jornalistas e Homens das Letras do Porto e é Vogal do Conselho Fiscal da Sociedade Portuguesa de Autores.

Romances publicados: Romagem a Creta (1964), Um Infinito Silêncio (Prémio Alves Redol, 1970), O Discurso da Desordem (1995), O Parque dos Lagartos (1981), Mesopotâmia (Prémio Internacional Miguel Torga 1984), A Praça de Liège (Prémio Círculo de Leitores, 1988), As Portas do Cerco (1992) e Parábola do Passeio Alegre (1995). Contos: Dante Exilado em Ravena (1989). Crónicas: Estados Gerais (1991). Teatro: O Ser Sepulto (1972) e Sonho, Paixão, Mistério do Infante D. Henrique. Ensaios: Domingos Pinho e o Sistema das Representações Simultâneas e Juro que sou Suspeito – O Processo de Adultério em Camilo em 15 Alíneas. Poesia: As Três Meninas e Outros Poemas (Porto,1952, Edições Augusto Navarro); Outro Caminho do Mar (Porto, 1953, Colecção Bandarra, nº 2); O Mundo Completo (Porto, 1955, Colecção Bandarra, nº 6), Os Animais Humildes (Porto, 1956, Edição do Autor); Poema para Anne Frank (Coimbra, 1958, Separata da Revista Vértice); O Dia Dentro da Noite (Porto, 1960), Notícias do Bloqueio, Aqui e Agora (Lisboa, 1962 – Ed. Sagitário); O Inverno (Porto, 1978 – Ed. O Oiro do Dia); 27 Poemas (Porto, 1988, Editora Justiça e Paz); A Condição Reflexa (Poemas, 1952-1982) (Lisboa, 1990, Imprensa Nacional-Casa da Moeda).

(In Projecto Vercial)

Sem comentários:

AS PALAVRAS

AS PALAVRAS . São como cristal as palavras. Algumas, um punhal um incêndio. Outras orvalho apenas. Secretas vêm, cheias de memória. Insegu...