quinta-feira, agosto 04, 2005

Soneto




vejo-te debruçada sobre a cama

tão serena e perpétua nos lençóis

que o brilho e a brancura de mil sóis

transformam em velasquez inclinada.



e na serena idade reclinada

jónia, vestal caída, leve e nua

com os meus dedos toco a carne tua

que a minha própria carne tão reclama.



inicio as viagens corporais

que soltas pela mente dão sinais

de incontidos prazeres e paixões.



meço os gestos contidos mas audazes

porque tu me dás, dou-te em intenções;

é assim que nos tornamos mais capazes



de amar, por puro amar, sem condições.




(josé félix)


(Foto de Piotr Kowalski)

EM TUAS ÁGUAS ...

EM TUAS ÁGUAS ... Em tuas águas navego Em ti resumo o périplo da minha volta ao mundo. Fora de ti, não há saída ou rumo...