sábado, março 03, 2012

AUTO-RETRATO





Eu sou … aquilo que sou – nem mais nem menos,
Alguém que vai vivendo ... bem e mal...
Um ser que vai soltando amargos trenos
Na ânsia de fugir a ser banal,

De não se definir nos epicenos
(Difusa luz que aspira a ser fanal!).
Alguém que o muito amar, letal veneno,
Tornou em triste vate do seu mal.

Deambulando oníricos roteiros,
Numa evasão aos rumos prisioneiros
Que a vida nos limita, coactiva,

Eu, que sou Eu, resista quem resista,
Quero manter o dom desta conquista
De ser quem sou, aonde quer que viva.

ANTÓNIO DE ALMEIDA


Pintura de William Bouguereau

EM TUAS ÁGUAS ...

EM TUAS ÁGUAS ... Em tuas águas navego Em ti resumo o périplo da minha volta ao mundo. Fora de ti, não há saída ou rumo...