sábado, fevereiro 20, 2010

IDÍLIO






Quando nós vamos ambos, de mãos dadas,
Colher nos vales lírios e boninas,
E galgamos dum fôlego as colinas
Dos rocios da noite inda orvalhadas;

Ou, vendo o mar das ermas cumeadas
Contemplamos as nuvens vespertinas,
Que parecem fantásticas ruínas
Ao longo, no horizonte, amontoadas:

Quantas vezes, de súbito, emudeces!
Não sei que luz no teu olhar flutua;
Sinto tremer-te a mão e empalideces

O vento e o mar murmuram orações,
E a poesia das coisas se insinua
Lenta e amorosa em nossos corações.


Antero de Quental

(1842-1891) nasceu em Ponta Delgada, Açores.

2 comentários:

De Amor e de Terra disse...

Belo soneto lírico, evidentemente.
Escola clássica. Esquecido nestes tempos de escrita criativa.
Mas sempre belo.

Bjos.
Maria Mamede

jorge vicente disse...

E o meu coração flutua, flutua...

Grande abraço
Jorge Vicente