Avançar para o conteúdo principal

CARTA DUM CONTRATADO





Eu queria escrever-te uma carta

Amor,

Uma carta que dissesse deste anseio

Deste anseio

De te ver

Deste receio

De te perder

Deste mais que bem querer que sinto

Deste mais que bem querer que sinto

Deste mal indefinido que me persegue

Desta saudade a que vivo todo entregue...

Eu queria escrever-te uma carta

Amor.



Eu queria escrever-te uma carta

Amor,

Uma carta de confidências íntimas,

Uma carta de lembranças de ti,

De ti

Dos teus lábios vermelhos como tacula

Dos teus cabelos negros como dilôa

Dos teus olhos doces como macongue

Dos teus seios duros como maboque

Do teu andar de onça

E dos teus carinhos

Que maiores não encontrei por aí...



Eu queria escrever-te uma carta

Amor,

Que recordasse nossos dias

Nossos dias na capopa

Nossas noites perdidas no capim

Que recordasse a sombra

Que recordasse a sombra que nos caía dos jambos

O luar que se coava das palmeiras sem fim

Que recordasse a loucura

Da nossa paixão

E a amargura

Da nossa separação...



Eu queria escrever-te uma carta

Amor,

Que a não a lesses sem suspirar

Que a escondesses de papai Bombo

Que a sonegasses a mamãe Kiesa

Que a relesses sem a frieza

Sem a frieza do esquecimento

Uma carta que em todo o Kilombo

Outra a ela não tivesse merecimento...

Eu queria escrever-te uma carta

Amor.



Eu queria escrever-te uma carta

Amor,

Uma carta que ta levasse o vento que passa

Uma carta que os cajus e cafeeiros

Que as hienas e palancas

Que os jacarés e bagres

Pudessem entender

Para que se o vento a perdesse no caminho

Os bichos e plantas

Compadecidos de nosso pungente sofrer

De canto em canto

De lamento em lamento

De farfalhar em farfalhar

Te levassem puras e quentes

As palavras ardentes

As palavras magoadas da minha carta

Que eu queria escrever-te, amor...



Eu queria escrever-te uma carta...



Mas ah meu amor, eu não sei compreender

Por que é, por que é, por que é, meu bem

Que tu não sabes ler

E eu – Oh! Desespero! –

não sei escrever também!

não sei escrever também!



António Jacinto

Comentários

Menina Marota disse…
"...Mas ah meu amor, eu não sei compreender
Por que é, por que é, por que é, meu bem
Que tu não sabes ler
E eu – Oh! Desespero! –
não sei escrever também!
não sei escrever também!"

Um dos poemas que eu mais gosto deste Poeta...

Bj e grata por o partilhares.
jocasipe disse…
Lindo poema. Desconhecia... até agora.
Eduardo Aleixo disse…
É um poema lindo, lindo, lindo...
jorge vicente disse…
uma descoberta a reter.

grande abraco
jorge

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij