sábado, setembro 10, 2011

NOITE DE VIAGEM





Amei a tua inquietação; e disseste-me que
te amei sem saber porquê, que as marés anunciavam
o luar que não chegou, que não foi preciso
olhar o fundo transparente das palavras
para que a sua verdade nos tocasse, que a tua mão
colheu o fruto da primeira árvore sem que nada
o impedisse.

Amei-te sem ter a certeza da manhã, sem ouvir
o vento que fez bater as janelas num eco do passado,
sem correr as cortinas do mundo para que
ninguém nos visse, sem apagar do teu rosto
o brilho da vida, enquanto as aves dormiam,
e o licor do sonho se derramava sobre os corpos
que cortavam a noite.

Mas ao seguir o seu rumo, o azul
floresceu das cinzas, a música despontou
dos silêncios da madrugada, e os teus olhos
amanheceram quando me disseste que
te amei, sem saber porquê.

NUNO JÚDICE


Foto de Sergey Ryzhkov

3 comentários:

DE-PROPOSITO disse...

a tua mão
colheu o fruto da primeira árvore
---------
O fruto!... Quando se come o fruto há sempre a dúvida se não é 'fruto proibido'.
-------
Felicidades

Menina Marota disse...

Nuno Júdice... e as suas palavras que me entram alma dentro...
Grata pela partilha deste belo poema.

Beijo

BRANCAMAR disse...

Muito bom LUís, como tudo o que escolhes.
Obrigada por este bom momento.
Beijos