segunda-feira, janeiro 24, 2022

NÃO SEI SE É AMOR QUE TENS


Não sei se é amor que tens, ou amor que finges,
.
O que me dás. Dás-mo. Tanto me basta.
.
 Já que o não sou por tempo, 
.
 Seja eu jovem por erro. 
.
 Pouco os deuses nos dão, e o pouco é falso. 
.
 Porém, se o dão, falso que seja, a dádiva
 É verdadeira. Aceito. 
.
 Cerro olhos: é bastante. 
.
 Que mais quero? 
.
 RICARDO REIS
.
Imagem Tamara de Lempicka 1898/1980

1 comentário:

Ailime disse...

Um belo momento de poesia, com este poema de Ricardo Reis!
Gostei imenso.
Ler Pessoa é sempre um prazer.
Beijinhos e boa semana.
Ailime

DESERTO PRÓPRIO

  DESERTO PRÓPRIO Porque me deste tudo: o corpo, a alma e esse jeito de amar, inteiro e perfeito, como ao princípio do mundo. Porque a ti me...