Avançar para o conteúdo principal

Porque



Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão.
Porque os outros têm medo mas tu não.
Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.



(Sophia de Mello Breyner Andresen)

Comentários

Anónimo disse…
Poema lindo que se transformou num hino na voz do Padre Fanhais. Aconselho-os vivamente a ouvirem esta pérola.
wind disse…
Um dos meus poemas preferidos de Sophia de Mello Breyner pela mensagem que contem. Beijos
adesenhar disse…
é um belo poema sem dúvida...

mas o que me preocupa é continuarem actuais!
o tempo voa, e alguns conteudos teimam
em manter-se actualizados :)

abraço lumife

esquisso: está um nadinha mais rápido mas ainda tens de apertar as orelhas a algumas imagens :) vai fazendo uns testes, mas atenção, vai gravando as versões do template ok!
Lindo!"Onde germina calada a podridão.Porque os outros se calam mas tu não". Adapta-se aos tempos que correm e parece-me o grito de alguém que querem calar.Abraço.
Mónica disse…
Bonito, maravilhoso.

PORQUE:

A vida é cheia de porquês e o risco faz deles uma aventura que recheia a vida de emoção...

Viver para nos sentirmos vivos...

:)
Henrique Santos disse…
Belo poema, duma poetisa que muito gosto... Bom blog, que visitarei sem dúvida, obrigatòriamente...
Parabéns,
Ricky
gato_escaldado disse…
bela Shofia. agora subindo aos céus. nas asas de um avião. não merecia a "banalização" de seu nome. abraços
Isabel-F. disse…
Oi Lumife...

Um belissimo poema...
sempre actual...infeleizmente...

foi cantado pelo "Padre" Francisco Fanhais... lembras-te????...não encontro nada dele na net...

bfds
bjs
singularidade disse…
Belissimo poema da minha Poetisa preferida
Obrigada pela partilha.
beijo fofo
Living Planet disse…
Hello Lumife,
I can't understand your language, but I can see that you have a very nice blog..
And the music is wonderful..
Living Planet disse…
Hi Lumife,
Your English not bad at all.
:) :) :)
soldeinverno disse…
boa escolha... adoro a Sophia... beijo
MARIA VALADAS disse…
Que Poema lindo...e cantado por alguém que o tornou ainda mais sublime!!
Lumife...sempre me encanta visitar o seu cantinho....SUBERBO!!
Abraço de amizade....
Maria
Anónimo disse…
Isabel-F.

Miúda, vai ao e-mule e saca esta música!

Beijo anónimo
hfm disse…
Belíssima fotografia com um dos poemas mais belos de Sophia.
tecum disse…
O poema é de Sophia e basta-me. A imagem encantou-me.
alentejodive disse…
Este espaço não pára de me surpreender.

O problema é que assim vou ficando viciado em visitas ao "Beja". O que é grave ......

Caro Lumife, segui os seus conselhos, a propósito da alteração no template, e já encontrei uma possível solução.
Ainda não é bem o que pretendo, mas já é qlq coisa.

Se quiser, pode ver no "Photoblog", na forma de slideshow.

Bom fim-de-semana para todos.
batista filho disse…
Quanta beleza!
Grato.
Um abraço, meu irmão.
TMara disse…
olhei a imagem k abria epensei: o rosto de Florbela passeando/perdido na planície...Saiu a Sofia smp bemvinda.Bjocas de luz
lena disse…
Sophia de Mello Breyner excelente
digo sempre que Sophia sabe "a-mar"

exelente a tua escolha, uma beleza

beijinhos

lena
Ludinais disse…
A eterna Sophia escreve como ninguém a verdade, a transparência e a coragem!
Lumife disse…
anónimo: (Porquê...?)

Infelizmente não ouvi ainda.Vou tentar arranjar.

Tecum :

Procurei um blog onde postasse mas não encontrei. Grato pelas palavras. Volte sempre.


Aos outros visitantes e amigos respondo nas minhas visitas aos seus blogs.


Obrigado a todos.

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij